Filosofia


  • Que decepção ver o sentimento posto na gráfica da poesia. Que desencanto de ouvir cantar a poesia extraída das volúpias do coração. Toda a força está posta na reprodução.
  • Quando o sopro quente e frio do vento une duas nuvens, o orgasmo se faz relâmpago e rasga de luz o céu que verte a água da abundância no útero da terra — sua esposa. Com os olhos escancarados, deixo a luz entrar no meu corpo para iluminar cada célula. Parecia que a paisagem em movimento se reflectia pela minha alma dentro, e o coração, cheio de contentamento, tomava o néctar da verdade como alimento. Não faz sentido descrever o que os meus olhos vêem, por que quem tem vista, o vê também. É na alquimia do laboratório do peito, de onde se elevam vapores de sentimentos, que encontro o sentido do meu relacionamento. O espaço, tão vasto como a consciência que o contempla, expõe aos meus olhos mudos um mundo movido pelas leis do tempo.
  • Para quê criar se tudo o que nasce só tem como sorte a morte pró levar. Mas a força de outra vontade arranca como uma planta o pranto do meu ventre expondo a infeliz raiz ao sol do firmamento, sem flor, sem fruto nem semente.

Jaime Silva

 Introdução

Com a criação desta página pretende-se  divulgar, por intermédio da imagem e da ideia, princípios universais dinâmicos, impulsionados pelo desejo de cultivar a arte de viver. Por uma questão de respeito às tradições ancestrais da Índia, os termos e conceitos filosóficos, assim como os métodos e práticas aqui divulgadas, serão apresentados, não pela “índianização” da nossa cultura ocidental, mas sim, como instrumentos para realçar a riqueza da nossa própria cultura ocidental.

Sabendo que o yoga assenta na experiência directa, não será de admirar que a simbologia pela qual emanam as ideias, as emoções e sentimentos, seja a linguagem mais adequada para alcançar o conhecimento e cultivar os valores unificadores do potencial humano.

rodaA Roda do Dharma

Este símbolo da tradição indiana – um dos mais importantes da iconografia budista – irá representar os ensinamentos do Yoga de Leiria.

A roda do Dharma simboliza o movimento e o evolutivo de toda a realidade visível e invisível, física ou psíquica. Representa as forças e as leis do universo no seu aspecto macrocósmico e microcósmico. É o fundamento do conhecimento que sustenta a acção justa; a lei da perfeição; a dinâmica que leva à realização. No seu núcleo, em perfeito equilíbrio, encontram-se  as três tendências que deram origem ao universo: coesão, dispersão e actividade.

Quando representa o ciclo do Samsara, leis de causa e efeito, os oito raios são as oito vias da virtude. No eixo encontram-se as três causas de sofrimento: a serpente do ego, o porco da ignorância e o galo da luxúria.

Reflexões do mês
FACILITAÇÃO DE PASSAGEM

Quando Freud tenta representar o aparelho psíquico sobre modelo energético, supõe que as ”resistências se produzem nos pontos de contacto entre os neurónios: estes pontos de contacto, desempenham, portanto, o papel de «barreira». Ora alguns destes neurónios podem ser modificados pela passagem de uma energia nervosa: tornam-se, então, permeáveis, o que permite a aprendizagem e a memorização; este estado é a «facilitação» e a memória seguirá as vias traçadas pelas passagens facilitadas. Como não têm todas a mesma importância, algumas passa­gens serão mais simplificadas, portanto mais frequentes que outras. Esta teoria permite explicar porque é que a energia não se serve de uma via qualquer, mas é obrigada a conformar-se a caminhos estabelecidos pelas experiências anteriores.

Texto extraído do Dicionário do Inconsciente
Sobre a direcção de Jacques Mousseau e Pierre-François Moreau

 Jaime Silva